Depois de lançar o best-seller do The New York Times, Aqueles que nos salvaram, também publicado pela Casa da Palavra, Jenna Blum nos surpreende novamente com mais uma narrativa envolvente, transformando com maestria os imprevisíveis e perigosos tornados em um rico pano de fundo que explora os vínculos entre irmãos, as dificuldades de lidar com a bipolaridade e a busca por aquilo que amamos.

Embora os contextos de seus dois romances sejam completamente diferentes, as histórias estão ligadas entre side uma maneira muito profunda. Jenna Blum envolve o leitor escrevendo sobre pessoas que recomeçam suas vidas a partir de uma tragédia e faz uma reflexão sobre culpa, segredo e esperança.

O novo romance de Jenna Blum é uma história poderosa que nos lembra de que o amor será sempre uma busca constante.

 

Uma história que ultrapassou todas as barreiras e preconceitos religiosos e ideológicos em nome do amor. Aqueles que nos salvaram conta a história de Anna, uma jovem de 18 anos com um futuro promissor aos olhos do pai, um simpatizante nazista: casar-se e ter filhos com um oficial alemão. Ao se apaixonar por um médico judeu, no entanto, sua vida muda completamente.
Revelando uma história de paixão e amor condenado, um retrato sobre a vida durante a guerra e um impressionante drama da relação mãe e filha, o livro explora profundamente aquilo que escolhemos suportar ou resistir para sobreviver e o legado da culpa. O romance, narrado de forma envolvente pela autora, Jenna Blum, permaneceu na lista dos mais vendidos do New York Times durante um ano.

 
Reportagem - Clique para ampliar