Eros e Psique. A bela Psique sonha com o amor ideal, mas nem imagina o que o destino lhe reserva. Seu pretendente é Eros, o deus do Amor, que não quer que ela saiba quem ele é. Com uma armadilha, ele faz todos acreditarem que ela irá desposar uma serpente. Os dois se casam, mas ele não se deixa conhecer e quer que Psique prometa jamais vê-lo. Apesar de fazer essa promessa, ela o vê por acidente e recebe o castigo de nunca mais ver Eros. E assim começa a luta de Psique para reencontrar seu amado. Mas a ciumenta deusa Afrodite, mãe de Eros, irá impedi-la, e a jovem sofrerá para reconquistar o seu amor.
Helena de Troia. Príamo e Hécuba, reis de Troia, esperam ansiosamente o nascimento de seu filho Páris. Já no final da gravidez, a rainha tem um sonho premonitório, em que o filho ainda não nascido aparece em um incêndio que destrói completamente sua cidade natal. Hécuba se desespera quando é obrigada pelo marido a dar o filho em sacrifício, para evitar que a premonição se cumpra. Mas ela mal sabe que o destino de Páris está selado: seduzir Helena, a mulher mais bela do mundo, raptá-la e, assim, provocar a Guerra de Troia, violento conflito armado que durou dez anos.
Perséfone. De garota despreocupada que colhia flores e brincava com suas amigas à adolescente de grande beleza e feminilidade que exerce forte atração sobre os homens, entre eles, Adonis, Hermes e o deus Hades. A força de seu mito já se apresenta com singularidade, no próprio subtítulo atribuído: amor e abismo. A aparente contradição corroborada pela polissemia que envolve os dois vocábulos revela sentimentos de paixão e poder. Por um lado, na disputa amorosa que envolve Afrodite, Adônis e Perséfone, por outro, na relação de poder entre Demeter, Zeus, Hades e seu amor incontido pela bela jovem.
Apólo e Ártemis. Sob a recriação do universo mítico grego, em Apolo e Ártemis, Sol, força e sedução, emerge uma narrativa fluida, sensível e bela que se impõe e seduz. Nos episódios vividos pelos irmãos gêmeos, semideuses, mais do que se vingarem de todos que acataram a determinação de Hera, a mulher de Zeus, e perseguiram sua mãe Leto estabelecem ferrenhas disputas em busca de “justiça”, se fazem presentes a sedução, a paixão e a ânsia de poder que nada mais são do que a soma de sentimentos e ações imperativas dos deuses e dos homens e suas atitudes demasiadamente humanas.
Client: Rovelle
Service: Book design and illustration
Back to Top